Colunas & Blog's

Vaidade do futebol brasileiro

Jorge Jesus x Renato Gaúcho

POR: Paulo Vítor Trindade @paulovitort

Ao longo da sua história, o Brasil ficou reconhecido no cenário esportivo mundial como “O país do futebol”. Esse título se deu por causa de grandes nomes de jogadores como Pelé, Tostão, Piazza, Garrincha, Jãozinho e Nelinho que ficaram marcados na história do futebol. Ademais, o nome da nação verde e amarela não foi divulgado somente por seus jogadores, mas também por técnicos famosos como Telê Santana, Aymoré Moreira, Vanderlei Luxemburgo e Luiz Felipe Scolari(Felipão). Contudo, a glória do passado parece encobrir a verdade de que hoje os técnicos não são mais tão bons e de que é necessária uma revolução no futebol brasileiro.

A seleção brasileira nunca foi treinada por técnicos estrangeiros em partidas oficiais e assim conquistou cinco títulos de copa do mundo através dos grandes nomes que nasciam no território nacional. Além disso, vários técnicos famosos por seus trabalhos no Brasil eram chamados para treinar equipes da Europa, ilustrando a grandiosidade que o futebol brasileiro tinha no passado. Por conseguinte, a soberba de “País do futebol” se tornou um tabu para o seu próprio povo, que hoje vê um estilo extremamente ultrapassado em relação ao europeu, que teve humildade para aceitar quem realmente era o melhor na época, percepção essa que quase ninguém do âmbito esportivo nacional admite hoje.

Essa discussão tem estado ainda mais carregada recentemente por causa da chegada de Jorge Sampaoli na equipe do Santos, fazendo um excelente trabalho com um time limitado técnica e financeiramente, mas que ainda assim alcançou a liderança temporária com campeonato brasileiro. Mesmo quando parecia que o esquema do argentino não estava mais funcionando e os demais técnicos voltaram a pressiona-lo mais fortemente apareceu outro nome estrangeiro em solo brasileiro: Jorge Jesus. O português revolucionou o Flamengo com uma incisiva carga de treino, chamou jogadores de renome para o clube, apresentou uma postura de forte cobrança dentro de campo que levou o rubro-negro a um possível titulo antecipado do brasileiro e uma decisão de libertadores, assim a polêmica retorna.

Nunca foi segredo que os técnicos brasileiros e a CBF como um todo alimentaram uma vaidade de “Melhor futebol do Mundo”, mas quando isso deixou de ser verdade o pensamento de todos os envolvidos continuou se iludindo com os títulos do passado e deixou de perceber que estavam estagnados com uma filosofia de jogo pobre e que o abismo entre o Brasil e a Europa apenas aumentava. Hoje, eles se assustam quando alguns clubes decidem ter humildade e permitir a entrada de estilos novos vindos de fora, e assim começam a vencer as filosofias acomodadas cultivadas em território nacional. O futebol brasileiro precisa de uma revolução e ela será construída através da humildade e percepção de que não temos mais os melhores clubes, jogadores e muito menos os melhores técnicos do mundo.   

Você também pode gostar...

Deixe uma resposta